quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Me Devolva-ME.

Adriana Calcanhoto - Devolva-me


Tomei a posição. Apesar da dúvida entre o altruísmo e o egoísmo, pela primeira vez visivelmente escolhi a segunda. Diante da tua indiferença torpe em relação ao mundo e a mim, eu escolhi a mim. Decidi abdicar de certas vontades, lutar contra certos princípios e mudar certas ações. No jogo de hipocrisia e poder que você joga com a vida, decidi ser a partir de então a carta fora do baralho. Decidi assumir posição de curinga andarilho. Sim, no começo foi ótimo, foi mais fácil. Era uma resignação em paz, um isolamento saudável, e desde então assim tem sido. Você não sente minha falta, e como eu recentemente deduzi "teus atos contorcem tuas palavras". Sim, que descobri. Depois de um tempo que desejamos que fosse eterno, cada vez mais, se torna penoso aturar. O exemplo que outrora eu idolatrava agora se transforma em alguém que jamais ousaria me aproximar. A sensibilidade, o carinho e todo o cuidado escaparam de ti como criança de vacina. Rápido, sagaz e infeliz...ou não, talvez as lentes sujas que você insistiu, perdão, que eu insisti em usar tivessem me privado de ver essa vagarosa decadência.
Sim, cansado do vitimismo, da infantilidade e da teimosia e me afasto. Me afasto pra tentar viver em paz. Nunca desejei...não, outrora desejei, mas não mais desejo nem desejarei mal algum pra tua vida, jamais. Tenho certeza que tuas imperfeições serão corrigidas por erros de uma vida desregrada que você insistirá em seguir. Não, não é profecia, é presente.
Não me procure mais, sei que logo agora pode parecer ironia, e espero que realmente agora não aconteça.
Me sentir parte nova e minha é satisfatório. Realmente me faz bem ver toda a minha capacidade em mim mesmo. Tenho renovado minha auto-estima, elevado meu ego, e até possibilitado meu erro, desconsiderado minha educação por deveras politizada, e me permitido um bom "vai tomar no cú", pra quem sempre mereceu, mas eu nunca tivera coragem de pronunciar. Quando chego em casa dou-me conta do quão pouco na minha vida realmente representa esse afastamento, e como minha consideração de isso ser só um pedaço, muito pequeno e muito insignificante de mim eu estava correto.
Ser sozinho pra mim sempre foi como um fato. Se não ontem, ou hoje, seria-o amanhã. Minha vida me fez assim, e lidar com isso agora, me parece ser realmente interessante pra uma nova perspectiva e elucidação de meu próprio futuro. Penso mais, falo menos, ouço menos. Mas tenho andado com meus próprios pés, levado meus próprios tapas, formado meus próprios calos, escolhido meus próprios caminhos, e pela primeira vez em alguns meses, respirado meu próprio ar. Cansado de viver numa sombra inconsistente e maldosa, me viro pro Sol e me permito queimar um pouco a pele branca e doente de tanto ócio.

"E depois de uma tarde de quem sou eu
E de acordar a uma hora da madrugada em desespero...
Eis que as três horas da madrugada eu me acordei
E me encontrei
Simplesmente isso:
Eu me encontrei calma, alegre
Plenitude sem fulminação
Simplesmente isso
Eu sou eu
E você é você
É lindo, é vasto
Vai durar
Eu sei mais ou menos
O que vou fazer em seguida
Mas por enquanto
Olha pra mim e me ama
Não
Tu olhas pra ti e te amas
É o que está certo."
Clarice Lispector
"Assim, será melhor."

4 comentários:

  1. Sim, as lentes estavam mesmo sujas e te impediam de enxergar as coisas como eram realmente. O mundo ficou por ora embaçado e as atitudes travadas. é, eu nunca imaginei um fim assim...vc tbm não.
    Mas os tropeços fora necessários. os tapas na cara. a dor e o sofrimento infelizmente são necessárias e sabemos disso. =/
    Mas como tudo na vida, isso terá um fim. e está próximo. sim, está. é hora de ocupar o seu interior com um pouco mais de si mesmo. alias, um pouco não, muito. está tudo acabando, etá tudo no fim, e daqui pra frente será vc e vc. como nuca caminhando com os próprios pés e colecionando os próprios calos que, logo deixarão de ser assim tão doloridos.
    é hora de abandonar aquilo que não preenche a felicidade. é hora de se desfazer daquilo que só atrai tristeza. é hora de aprender que não vc não precisa de ninguém para se sentir completo, sim de alguém que seja completo e que esteja junto de vc.

    é hora de deixar...

    amo-te.

    ResponderExcluir
  2. Tenho dito muito ultimamente que a nossa felicidade está em nós mesmos. Porém assim como tudo na vida isso é relativo. Há pessoas que acham a o mundo está nelas mesmas e, assim, não merecem ouvir tal afirmação.
    Acredito na decepção, mas também acredito na surpresa. Precisamos saber quando deixar e quando aceitar. A dor é terrivel, mas sem ela não saberíamos o que é a felicidade.
    Procure a felicidade em cada momento da tua vida, não esqueça de todos, mas simplesmente do que não te é saudavel!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. sabe a pouco me contaram um segredo, que antes pensei que nunca existisse... esse segredo resumia-se em harmonia, amor e liberdade... harmonia com o mundo, amor a si e ao proximo e liberdade de todos... mas tudo isso se baseava na sua propria concepção de viver em harmonia, com amor e liberdade... me pareceu confuso a principio, e tento do meu jeito grotesco praticar esse segredo ao maximo... do que ele se trata... de algo que eu não tenho mais... ou pelo menos acho que ja não tenho... a felicidade. não quero ser cliche nem dizer para segui-lo, não vou intervir com minhas palavras teu texto, nem ofuscar tal sentimento que em ti é necessario agora para que entendas e te deixe viver... ser egoista é necessario, pensar em si mesmo e querer seu proprio bem é algo que todos nós fazemos, só não admitidos... queria eu poder seguir em frente... ha muito tempo que não caminho por mim mesma... só peço que tome cuidado, que olhe para os lados e que não pense que um novo caminho é necessario trilha-lo sozinho, não precisa de presença mais saiba que ha sempre alguém a que se encontrar no meio da estrada...

    ResponderExcluir